O futuro com VR e AR: o que esperar dessas tecnologias?

July 17, 2019

Pouquíssimo tempo atrás, Pokémon Go se tornou uma febre por fazer os Pokémons
aparecerem em nosso meio para serem capturados. Ver o embate entre o real e virtual foi
uma verdadeira “loucura”. Porém, a verdade é que tecnologias assim não são recentes. A
realidade virtual e a realidade aumentada (VR e AR, respectivamente, ou virtual reality e
augmented reality, em inglês,) existem há alguns anos.


Atualmente, VR e AR estão cada vez mais populares em aplicativos e equipamentos cotidianos.
Isso é um indicativo do que podemos esperar do futuro com essas ferramentas.


Embora os termos possam confundir um pouco, entender a diferença entre VR e AR é simples.
A realidade aumentada consiste em exibir cenários com base no espaço em que o usuário se
encontra. Um exemplo já citado no início do texto é no Pokémon Go, quando um Pokémon
aparece em lugares inusitados no nosso universo. Por outro lado, a realidade virtual te leva
para um novo ambiente, como entrar em um jogo, por exemplo.


Resumindo: a AR traz as coisas até você, enquanto a VR te transporta até as coisas. Porém, isso
acontece sem que você saia do lugar. Vale ressaltar que, na realidade aumentada, o processo é
o inverso do que Clark Kent faz para virar o Superman: basta colocar um óculos e você ganha o
poder de se transportar (virtualmente).


Se a ideia parece muito divertida para um jogo, pense no quanto isso pode transformar toda a
indústria tecnológica. É exatamente isso que o futuro promete.
É preciso esclarecer que VR e AR não são tecnologias que competem entre si, ou seja, não há
uma que vai sobreviver no futuro enquanto a outra definha. Elas possuem aplicações
específicas.

 

                                                EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS

 

Antes de falar mesmo sobre o futuro dessas duas tecnologias, vamos fazer um tour rápido pelo
passado. Pense no surgimento dos primeiros computadores. Evoluímos então para os
aparelhinhos de MP3, que eram um sucesso há pouco mais de 10 anos, mas que cabiam,
quando muito, 100 músicas. Pense ainda naqueles celulares quase inquebráveis que usávamos
na mesma época. De volta para o presente, vemos computadores finíssimos com memórias
absurdamente grandes perto dos seus ancestrais. Os MP3s evoluíram e hoje são uma mescla
com os smartphones, que possuem capacidades melhores que os computadores de poucos
anos atrás.


Esse momento "recordar é viver" foi apenas para mostrar a velocidade com que a tecnologia
está evoluindo. Na verdade, ainda há dúvidas se ela continuará a crescer com a mesma
velocidade ou se vai começar a estagnar. Porém, algumas pesquisas promissoras mostram que
não vão parar de surgir novas tecnologias. Em breve, a computação quântica baterá a sua
porta, por exemplo.

 

De volta para o universo da VR e AR, pense no quanto elas podem evoluir nos próximos anos
ou meses e quantas aplicações diferentes poderemos ter.


Puxando para o lado da Engenharia, a realidade aumentada pode ser uma ferramenta
fundamental para a construção e o desenvolvimento de cidades inteligentes. O processo de
construção pode ser mais eficiente a partir da maior interação com o projeto ao longo do
tempo. Ainda, arquitetos e engenheiros podem fazer uso da ferramenta para ilustrar suas
ideias, conquistando o cliente.


No caso da realidade virtual, imagine que você quer comprar ou decorar um apartamento. Não
é preciso sair da imobiliária ou da loja para visitar o espaço, basta colocar um óculos meio
diferentão que, em segundos, você caminhará pelo seu novo apartamento. Imagine conhecer
o Louvre e a infelizmente recém-incendiada catedral de Notre Dame sem sair da sua casa, tudo
com realidade virtual. Você pode comprar um “pacote de turismo de VR” por um preço muito
mais barato e de forma muito mais rápida.


Mais que isso: imagine poder voltar ao passado por meio de VR, usando apenas as imagens
que você tinha do ambiente ao seu redor. É como uma máquina do tempo, com a diferença
que você não pode cometer nenhuma das intervenções (que geram uma série de confusões)
que vemos nos filmes.

 

                                                          CRESCIMENTO

Estima-se que haja um crescimento no mercado de AR de 40,29% entre 2018 e 2023. Ainda, é
esperado que os preços sejam reduzidos, que as tecnologias sejam aprimoradas e fiquem mais
confortáveis. O processo é o mesmo que o de qualquer outra tecnologia, como os
computadores e os smartphones.


No geral, a tendência é de que, dentro de alguns anos, nos questionemos “como vivíamos sem
AR e VR?” da mesma forma que nos perguntamos como nossos parentes do século retrasado
estudavam sem ter o Google (a barça mandou lembranças!), faziam trabalho sem ter um
computador (os jovens de hoje não sabem o que é fazer tudo em cartolina) ou viviam sem
energia elétrica. O futuro está logo ali.

 

Texto: Larissa Fereguetti
Site: https://engenharia360.com/o-futuro-com-vr-e-ar-o-que-esperar/
Foto: stereoscape.com

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Presidente da AEAS participa de reunião do Colégio de Entidades Regionais

October 15, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes

December 6, 2019

Please reload

Arquivo