ÁGUA, A ESSÊNCIA DA VIDA

 

Analisando os sinônimos da palavra essência, saltam-nos aos olhos alguns deles: natureza, substância, âmago, cerne, fundamento e sentido, dentre outros. Posto isso, perguntamo-nos: “O que é a água?” Há muitas respostas à questão formulada; deixaremos que os leitores pesquisem e encontrem as respostas, dentro dos escopos físico, químico, biológico e outros e levando a palavra essência em consideração de forma verdadeira e substancial.

Para nós, no dia a dia, a água é um líquido necessário e insubstituível, diretamente relacionado com a nossa sobrevivência. Sem ele, todos o sabem, não existiríamos. É, destarte, a salvação da humanidade: ela lava, desintoxica, fertiliza; purifica o ar que respiramos, com as suas precipitações; oferece-nos lazer, como o surfar, o esquiar; permitiu ao homem, em seus primevos estágios evolutivos, sair da forma sedentária de vida, podendo plantar grãos e criar animais em cativeiro, em sítios próximos de sua morada; que seriam das atividades agroindustriais, das produções de bens de consumo. Enfim, é infindável a lista dos segmentos que esse mágico líquido participa.

A água é o maior artista da humanidade. Entre suas atividades de escultor, destacamos suas nascentes, donde vem os cursos dos rios, com seus meandros e reentrâncias, delineando todo um perfil topográfico, advindo daí os cânions, os precipícios e as planícies que todos  observamos maravilhados. Também, as cachoeiras em suas magníficas quedas, que diante de um rigoroso inverno, congelam criando formas as mais variadas.

Toda essa paisagem consagrada, formando verdadeiras pinturas que se instalam em nossas mentes. O vento colabora com a água, produzindo melódicas notas musicais que oscilam desde a delicadeza até o horror das tempestades. Sua inconcebível importância é ressaltada nos áridos desertos, quando ao advento de suas precipitações, faz florescer a vida em toda a sua pureza e força; diremos, então: “A Natureza agradece”. Ou seja, todos os componentes de Gaia, a nossa Terra, reconhecem sobremaneira a existência da água.

Apenas o homem, o ser dominante sobre todos, não reverencia o líquido da vida como deveria ser feito. Não cuida dele, preservando o seu local de origem, desvia seus cursos naturais para reservá-lo em enormes represas, não importando os danos ecológicos causados. Deposita os seus detritos existenciais em quaisquer lugares; vejam as enormes quantidades de lixo nas canalizações de águas fluviais e pluviais, que através dos  entupimentos das tubulações provocam ou agravam ainda mais os nefastos efeitos das enchentes.

O homem do século XXI não aprendeu a cuidar de seus restos; a Engenharia e a Arquitetura são das principais atividades profissionais, definidoras do modus operandi, de como dirigir a atitude do homem no sentido de sensibilizá-lo quanto ao modo de agir, mudando as concepções existentes de: “Eu jogo aqui; o Setor Público que se vire e revire para resolver”. Quanto a este, deveria dirigir seus recursos em prol das defesas da vida e da água, não liberando a construção de loteamentos em áreas alagáveis, executando obras duradouras e eficazes; em, assim fazendo, daria o exemplo a ser seguido, sendo que a conscientização das pessoas viria a reboque no intuito da conservação e respeito para com o seu semelhante, já que o que se pratica a montante, reflete diretamente à jusante.

Haveria muito mais a ser dito, muito mais a ser colocado; seria necessário elaborar inúmeros compêndios englobando a água como tema principal. Até, queremos crer que o entendimento dos escritos seria de facílima compreensão, já que como é sabido, dependemos da água de uma forma irreversível, inclusive em nossa constituição corporal e na preservação de nossa saúde.

As Entidades de Classe e os Setores Públicos em geral tem papel primordial em perseguir esses intuito e objetivo preservacionistas. Devem sistematicamente educar, conscientizar, fiscalizar e cobrarem-se mutuamente, os resultados necessários e imprescindíveis a nossa conservação e sobrevivência, dentro das Ética e Moral reinantes, sendo retos e rígidos no agir. Há que todos entendermos que os tempos do “jeitinho brasileiro” terminaram.

Particularmente, vejo as atuações do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura e do Conselho de Arquitetos e Urbanistas, subvencionados por suas associações, com quesitos e qualificações que podem dirigir os esforços de toda a comunidade em prol dos objetivos acima elencados. Com certeza, os desastres provocados pelas inundações causados pelas fortes chuvas, poderiam ser eliminados e amenizados, preservando as vidas e a natureza. Então, mãos a obra engenheiros, arquitetos, técnicos e tecnólogos: “Construamos um mundo melhor, num futuro habitável, através da conscientização e das responsabilidades comunitária e ambiental com o uso da melhor técnica disponível ao nosso alcance”.

 

Aléssio Biondo Junior

Engenheiro civil e vice-presidente da AEAS (Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Sumaré)

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Presidente da AEAS participa de reunião do Colégio de Entidades Regionais

October 15, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes

December 6, 2019

Please reload

Arquivo